sábado, 13 de dezembro de 2008

TRANSPLANTE


Por instantes pára a vida
e tudo morre em lentidão
Engrossa a seiva dos troncos
em dor de coágulos inevitáveis
Os acordes do rio abrandam
nas cordas vocais já cansadas
Esconde-se o cantar da natureza
em fuligem de nuvens imparáveis
Retraem-se as palavras do meu poema
adormecendo cancerígenas
em mares de letras inseparáveis
O sangue percorre-me as veias
já então muito saturadas
dos gritos ásperos e mudos
gritados no silêncio das noites desesperadas
Rasgo sentimentos com bisturi
na ânsia louca de os transplantar
O tempo vai correndo na sua lentidão
e eu já parca de vida
não encontro dador compatível
com tamanha força de amar.


MV

16 comentários:

MPereira disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Sal Ober disse...

grande companheira Marta. É um enorme prazer lê-la no meu espaço. Fico sempre lisonjeado pela sua visita.
Muito muito obrigado por isso.
Sorrio. Sorria comigo.

beijo

http://coresemtonsdecinza.blogspot.com

frAgMenTUS disse...

ah mas tu és inteligente, Marta, pk essa metáfora do "dador compatível" está d+...é sempre um problema encontrá-los, existir existem, é preciso é q cheguem na hra certa...mas a nossa hra nem sempre se sincroniza com a do universo, portanto, há q nao perder a esperança!!!
na estima, já tens dadora compatível! :)bjs e dia feliz, ainda q chuvoso

meus instantes e momentos disse...

bonito, forte e singelo.
Belo post. Belo blog.
Parabens.
Maurizio

José Manuel Brazão disse...

Um poema de cirurgia à Vida!

Sempre a tua Mestria no uso nas palavras!.

Beijão

Marta Vasil disse...

Oi fragmentus

Quero deixar-te aqui no meu cantinho um beijinho muito especial pela tua terna dádiva.

MV

MPereira disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
BC disse...

Boa noite Marta, o teu poema é fortíssimo, como alguém acima disse um grito mesmo, é triste mas se o grito é teu tenta Sorrir estarás sempre com alguém ao teu lado.
Nesta época existe magia, acredita com FORÇA.
Beijo
Isabel

Ricardo disse...

Há tanta coisa neste país a precisar de um transplante!

Beijo

Vergilio Torres disse...

:)

Carla Sofia disse...

Poema de profundidade. Achei-o um pouco melancólico, mas a vida entra em melaconlia no momento do transplante, da pausa...
beijinhos :)

MPereira disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Vieira Calado disse...

Recorrendo a imagens da medicina, conseguiu imprimir grande emoção ao seu poema.
Gostei.

Bjs

mundo azul disse...

Minha amiga...

Que palavras tão belas, fortes e tristes!


Espero que seja apenas uma bela construção poética...


Beijos de luz e o meu especial carinho!!!

Gonçalo Marques disse...

ADOREI..., lindíssimo!
Parabéns.
Gonçalo

JOSÉ FARIA disse...

Por avaria de PC, tenho andado demorado a cumprimentar os amigos on-line.
Peço desculpa.
Aproveito para desejar um Bom, Feliz e Saudável Natal e Um Ano Novo de 2009 com mais progresso social para todos.
Para vos e para o Mundo.
José Faria