terça-feira, 9 de dezembro de 2008

PALAVRAS DE COR SÉPIA


Ordeno-te vento

que rujas em palavras de cor sépia.


Ordeno-te mar que te revolvas

e afundes as palavras

apeadas de falsos cruzeiros.

Ordeno-te ferrão de vespa

que sigas em voo rápido

e ferres com teu veneno

as palavras assinaladas.

Ordeno-te fogueira em crepitação

que alteies o vigor da tua chama

e queimes a lenha podre

das palavras que te ateiam.

Ordeno-te tesoura de lâmina afiada

que cortes com fúria

sílaba a sílaba,

todas as palavras.


Na vaga mais alta que o mar pariu

instala-se um cemitério de palavras de cor sépia.


MV

10 comentários:

frAgMenTUS disse...

MM = MartaMaga eheh
bem, este poema está uma potencia q até estremece quem lê...e se bem percebo, trata-se de exorcizar fantasmas do passado, ora mt bem, q a sépia dê lugar a palavras multicolores.
bjs e dia feliz

BC disse...

Olá Marta desapareceste do meu convívio, nunca mais passaste por lá.
Gostei muito das tuas palavras poéticas.
Beijo
Isabel

frAgMenTUS disse...

Martinha, poe la os seguidores do blog, desde o Asas q te sigo e tu nem ligas...lol
bjs e dia feliz

Vieira Calado disse...

Obrigado pelos votos expressos no meu blog.

Bem haja

Carla Sofia disse...

Palavras fortes para deixar um mundo suspenso de palavras, pintadas a sépia.
Gostei.
Deixo um sorriso
e voltarei

MENSAGENS AO VENTO disse...

Minha amiga, que palavras tão cruéis foram essas?

Que sejam então exorcizadas!


Belo, sentido e forte o seu poema...


Beijos de luz e o meu carinho!

Manuela Fonseca disse...

Gosto desta fúria poética, de palavras rasgadas por ordem superior. Gostei desta "garra"!!!

Foi bom começar assim o dia, debaixo desta chuva que me lava a alma extasiada.

Beijinhos de carinho, amiga***

MPereira disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
JOSÉ FARIA disse...

Ai este ordenar, este mandar...
Faz-nos sentir que por ali anda uma voz de trovão vinda da fundo da alma do mundo.
Este poema é de se declamar em sentido

André L. Soares disse...

Que poema, que profusão de imagens. E há mesmo essas muitas palavras que gostaríamos que fossem cortadas. Gostei muito desse blog. Volto depois para ler mais. Grande abraço!