domingo, 19 de julho de 2009

ARMADILHA



Quadrado de terra ácida
adocicada pelo esplendor do trigo.

Arestas soltas dos vértices
presas por colheres de mel

Ângulos rectos a deformarem
pelo desvio do esquadro à régua

Poliedro de imprecisa essência
esboço de um projecto armadilhado

MV

14 comentários:

Isabel José António disse...

Cara Amiga Marta Vasil,

Parabéns pelo poema!

Armadilha que nos emaranha
Neste rendilhado filigranoso
Parece-nos uma teia da aranha
Num terreno alagado, pantanoso

Tolhe-nos todos os movimentos
Chegamos a perder todo o norte
E se não estivermos atentos
Conduzir-nos-á perto da morte

Esquema diabólico pré-programado
Que envolve corpo e depois a alma
Que nos envolve como um tornado
E não se segue aquela brisa calma

Um grande abraço

José António

Daniel Costa disse...

Marta Vasil

Apreciei o poem, como não vi nele a amadilha, não vou fugir. Por outro lado, o mundo parece armadilhado de todo.
Beijos,
Daniel

CarlaSofia disse...

A armadilha espera-nos a cada recanto, é preciso estarmos atentos para não cairmos nela. No entanto, também não devemos deixar de viver livres e ousados por trilhos inéditos.
um beijinho

Nilson Barcelli disse...

Não é fácil ver uma armadilha dessas, onde as arestas estão presas por colheres de mel...
Magnífico poema querida amiga, gostei imenso.
Boa semana, beijo.

poematar disse...

Bem armadilhado o poema, sendo surpresa. Publicação?... Vamos ver... Sim, estou um pouco mais aliviado, mas com bastante ansiedade quanto ao facto de,para o ano, ficar ou não a dar formação em Lingua Portuguesa aos colegas no âmbito do Progama Nacional de Ensino da Língua Portuguesa. Ainda não sei nada, de facto, e isso desmobiliza o agrupamento que é quase nada combativo e já tenho pessoas inscritas, por minha iniciativa. Tenho que estar sempre em vigília. Um abraço.

Simplesmente Amor disse...

Com ou sem armadilhas...
Ler-te é ver maravilhas!!!

Marta...felizes sejam todos os teus dias!

Beijos com o meu carinho

poematar disse...

Olá, Marta! Porquê ténue; faz tu a a tua leitura; o leitor é livre, amenos que haja contradição não justificada. Isto está a acalmar. É quase certo ficar a dar formação. Talvez descanse, ando muito agitado. Já fiz um blogue para a minha actividade como formando. Vamos ver se consigo conciliar os dois. O endereço é pnepiandoC.blogspot.com - éstá paradote. Saúde. Daqui a pouco entro de férias (24). Um abraço.

A.S. disse...

Marta,

Não há nada mais simples que a relação vital entre o corpo e o espaço, entre o olhar e o ser, entre a luz e a transparência do que a geometria espacial de um Poliedro!


Beijos meus...

lua prateada disse...

Muito bonito, e não fiquei na armadilha eheheheh...
Beijinho prateado

SOL

BC disse...

Martita está belo, eu estou é que estou cheia de Matemática, essa armadilha para muita gente.
Beijo e :)

utopia das palavras disse...

Uma armadilha de tão bem construída, imperceptível aos meus olhos, mas não ao meu sentir de poesia...!

Beleza vi nesta forma que lhe deste!

Um beijo

Secreta disse...

As armadilhas são dificeis de encontrar...

BC disse...

Martita, vim deejar-te um Bom Fim de Semana com sol de preferência.
Jinhos
Isabel

Chris disse...

Projecto armadilhado - gostei, de passar por aqui e sentir as palavras certas...
bjs
Chris