sexta-feira, 18 de setembro de 2009

TOADA


Abrir a gaiola em que me prendo
e soltar as toadas que no silêncio toco

Num sopro fazê-las chegar
e acordar em ti a música
que não me abstenho de ouvir

Serão flautas violinos violoncelos
um bombo estridente que acorde a noite
e te leve o canto desafinado
que tenho escondido no foles do dia

MV


7 comentários:

praia da lua disse...

o import é que a música em ti ecloda em espontaneidade (d)e amor! mt bem escrito.

(já tenho pc emprestado mas 'tou+desconectada, felizmte, o real é bom d+ e td encaminhado)

bj grnd luz e paz

BC disse...

Eu acho que é uma orquestra completa essa tua toada, que nos vibra nos ouvidos!!!
Beijo
Isabel

Tatiana disse...

Quer coisa mais bela que abrir o peito e encorajar o canto da vida?

Lindo o seu poema... bela a a sua alma!

Beijos com meu carinho

Sonia Schmorantz disse...

Gosto quando abres estes sentimentos guardados e poeticamente os lança no espaço, escreves sempre muito bem!
beijo, lindo final de semana

Ana disse...

Martita,um beijinho grande nesse coração tão amigo.Obrigada pela tua visita.:-)

ARTISTA MALDITO disse...

Olá, Martita

Venho desejar-te um excelente início de semana. As dores não me deixam estar muito tempo no pc. Mas, não desisto e espero começar a comentar com pés e cabeça dentro em breve.

Para já, vim aqui com a minha amizade agradecer-te a visita.

Beijinhos,
Isabel

Aníbal Raposo disse...

Ola Marta,

Soltar as toadas e acordar em ti a música. Belas imagens poéticas.

Beijos