domingo, 29 de maio de 2011

FAREI APENAS TUDO ISTO


Hoje levantei-me e fiz a cama.
Uma perfeição. Sacudi e estiquei os lençóis.
Até sacudi os tapetes e alinhei-os simetricamente.
Abri as gavetas e organizei roupas.
Não lhes deixei uma única prega.
Bem empilhadinhas. Nada fora do lugar.
Também pus a mesa com esmeradíssimo cuidado.
Toalha limpa a condizer com os pratos. Como eu gosto.
Hoje fiz tanto. Hoje não fiz nada.

Amanhã hei-de voltar a fazer a cama.
Hei-de sacudir os lençóis e
deixar sair tudo o que incomoda o coração.
Os tapetes, esses, vou sacudi-los
tirar-lhes as poeiras que ficaram dos sonhos.
E depois hei-de alinhar tudo o que sobrar.
Quanto às gavetas
hei-de misturar as peças de mangas compridas,
com as de mangas curtas e com as de cavas.
Hei-de fazer pilhas tão  desorganizadas
que arrepiarão os olhos de quem as possa ver.
Hei-de pôr a mesa, sim. Com uma toalha qualquer.
E em vez de lhe por pratos
hei-de pintá-la de lírios, de rosas e de papoilas
e saborear os cheiros que me crescerem nos olhos.
Amanhã não farei nada. Farei apenas tudo isto.

MV

9 comentários:

Secreta disse...

Amanhã... tudo de novo... no melhor de nós.

Claudio Sousa Pereira disse...

Palavras poéticas com a mesma categoria de sempre, do sujeito poético a descrever elementos do real, cotidianamente marcantes. Beijos, Claudio.

Rafael Castellar das Neves disse...

E faça de coração aberto que vale a pena!!

[]s

Mel Almeida disse...

Marta, das coisas mais banais e simples da vida, tu fazes um texto lindíssimo, com alma poética no seu esplendor!
Parabéns os "Grandes" assim, se identificam!

Nilson Barcelli disse...

Há trabalhos que, pela sua repetição, são um suplício de Tântalo...
Belo poema. Gostei.
Querida amiga, bom feriado e bom fim de semana.
Beijos.

Teresa disse...

Marta,

Tão bom descobrir que "o nada é tanto"!

Beijinho.

tecas disse...

Linda Marta, que linda poesia. Do quotidiano, fez um excelente poema.
Isso é ser poeta de alma e coração.
Tudo o que faça, faça sempre como se fosse a primeira vez.
Parabéns querida.
Bjito e uma flor.

Mel Almeida disse...

Apenas ...tudo...isto farei...O teu fazer ...é tão poético tão solto e tão, autentico.
Beijos de Mel

Pastelaria disse...

Olá Marta
Antes de mais ...parabéns pelo blogue ! :)

gostei do que li ...

Gostaríamos muito que desse uma vista de olhos no projecto DVB- Digital Video Book ,de saber a sua opinião e qual o interesse em desenvolvero seu trabalho neste novo formato.

"Transformamos" os seus trabalhos (já editados em livro, ou não), num DVB- uma ideia original da Pastelaria Studios Productions

O projecto é recente, é uma inovação, tal como explicamos no nosso blogue:

http://pastelariaestudios.blogspot.com/


É exactamente isso! os seus poemas seriam " trabalhados " em DVB . Um livro que se vê como um filme!

Não somos uma editora, prestamos essencialmente um serviço criativo.

A minha sugestão seria, enviar-nos a sua obra, e nós faremos uma análise e um orçamento de custos.

Posso adiantar que, por ser um projecto novo e, embora o trabalho criativo (audio, voz, imagem, construção do DVB, etc) seja bastante, queremos chegar ao maior número de autores de obras escritas, mesmo que essas estejam ainda na 'gaveta' ...



Fico a aguardar uma resposta e, qualquer dúvida ...estamos por aqui.

Um abraço
TMQ

pastelariaestudios@gmail.com