sábado, 9 de maio de 2009

UTOPIA

imagem cedida por Isabel Monteverde



Revolvo na terra cinzas caladas

digiro e rumino ecos passados

que um dia correram nas insónias do vento.

Sentada em burocracias que me encurralam

pressinto que a linha do tempo

então feita de relva e grama

vai ser marcada a ferro e fogo

na fragilidade de um momento.

E recuando na memória de rosas em botão

ergo esse momento na luz da utopia

amordaço as leis da lógica e agarro o horizonte

sabendo que é migalha de ilusão

saída da cratera de mais um dia.


MV

12 comentários:

CarlaSofia disse...

É lindo ver como brincas com as palavras, usando-as para descrever sentimentos. Interpreto este poema como um regresso de memórias adormecidas. Muitas vezes temos de regressar ao passado para resolver questões presentes, embora o passado não se repita e a memória seja apenas isso - imagem difusa de um sentimento que se renova....
beijinhos e um bom fim de semana
beijinhos

Sonia Schmorantz disse...

Querida Marta, é indescritível essa energia de afetos que vem até nós, quando os amigos se tornam solidários e com toda sinceridade do mundo desejam o melhor para nós. Senti isso enquanto acompanhei minha mãe durante quase uma semana no hospital. Não tive acesso a computadores, mas agora, com calma, gostaria de abraçar cada um de vocês, para poder demonstrar o quanto essa energia foi vital.
Um grande beijo por tudo, que tenhas um lindo final de semana.

BC disse...

Dias que amordaçamos, e retiramos das cinzas, na certeza ou incerteza de que mais um dia sempre virá.
Bom Fim de Semana
Isabel

poematar disse...

Sabes que não conheço nada bem o Alentejo e adorava conhecê-lo?...Aliás conheço muito mal o meu país. apesar de gostar de viajar, as viagens para mim são um dor; estranho mas é verdade - é quase uma doença. Sim, já reparei que de vez em quando dás um salto e gritas, mais do que que rebeldia, mais do que ternura, mais do humanidade; parece que o teu corpo e o teu ser se ergue m acima de tudo e todos. E eu gosto disso. Adoro. Não agradeças ter-te proporcionado o que viste. É meu dever divulgar a cultura do meu país. O teu poema, para além de belo é bom;limito-me a subscrever e lembrar estas tuas palavras nele contidas:"E recuando na memória de rosas em botão ergo esse momento na luz da utopia amordaço as leis da lógica e agarro o horizonte sabendo que é migalha de ilusão saída da cratera de mais um dia."
Beijinhos deste atrapalhado com trabalho

☆Fanny☆ disse...

Querida Marta!!!

Como eu entendo as tuas palavras!Cada vez nos afundamos mais na futilidade a que nos obrigam...

Destaco este pedacinho que me tocou particularmente: " agarro o horizonte sabendo que é migalha de ilusão saída da cratera de mais um dia."

Migalhas...talvez, mas são pequenos prazeres que nos revigoram e nos incitam a continuar a viver.

Beijinhos*

lua prateada disse...

É lindo sim parece não ter fim quando se olha ao longe...
Fica aqui o desejo de um lindo fds. vamos apreciar as pequenas coisas, pois um dia, talvez olhemos para trás e descubramos que foram essas as grandes coisas.
Beijinho prateado

SOL

utopia das palavras disse...

É bom viver cada dia no alívio de um sonho...!

A foto está fantástica!

beijo

ARTISTA MALDITO disse...

Olá Martita

"Agarrar o horizonte", assim se desloca o sonho em direcção ao futuro.

Essa esperança renascida devolve à visão a perspectiva de um infinito que pode muito bem nascer das cinzas, ou de um lugar à espera de ser real.

E a utopia nasce e permanece!

Beijinhos e um excelente início de semana, (chove no Porto:((

Isabel

UMA PAGINA PARA DOIS disse...

Faça uma lista de grandes amigos,
quem você mais via há dez anos atrás...
Quantos você ainda vê todo dia ?
Quantos você já não encontra mais?
Faça uma lista dos sonhos que tinha...
Quantos você desistiu de sonhar?
Quantos amores jurados pra sempre...
Quantos você conseguiu preservar?
Onde você ainda se reconhece,
na foto passada ou no espelho de agora?
Hoje é do jeito que achou que seria?
Quantos amigos você jogou fora...
Quantos mistérios que você sondava,
quantos você conseguiu entender?
Quantos defeitos sanados com o tempo,
era o melhor que havia em você?
Quantas mentiras você condenava,
quantas você teve que cometer ?
Quantas canções que você não cantava,
hoje assobia pra sobreviver ...
Quantos segredos que você guardava,
hoje são bobos ninguém quer saber ...
Quantas pessoas que você amava,
hoje acredita que amam você?
(Oswaldo Montenegro)

Desejo uma semana com muito amor, carinho e saúde
Um grande abraço do amigo
Eduardo Poisl

BC disse...

Martinho hoje venho só para dizer-te para ires levantar aos SORRISOS,um premiozito.
Beijo

iilógico disse...

isto é ...
poesia!

linda!

bju-te

José Manuel Brazão disse...

Para ti, minha querida Marta:

“ Procuro na utopia … ser feliz “

Procuro sonhando
o que não encontro acordado.
Sonho com a vida
que me falta conhecer;
Sonho com as pessoas
que amo em silêncio
e que quero ajudar:
amando!
Sonho com as pessoas
que me ouçam,
me entendam.
É bom sentir-me vivo,
olhando para trás
e vendo
que não posso viver
um novo começo,
mas que posso viver
um novo fim.
Procuro na utopia,
a esperança
de ser feliz,
serenamente …

José Manuel Brazão