sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

ATRASA...


Espreguiça-se sem demora o cair da tarde
na distância que ainda o separa da lua

Atrasa a luz da memória
anunciada pelo verso nocturno

Atrasa a rede que vai lançar à onda
quase espuma

Atrasa a pétala que exala
a fragrância do silêncio

Atrasa o esconderijo de sonhos
empoleirados em beirais insidiosos

Atrasa em desmesura a ilusão
para não ver um poema
respirar na lonjura da ternura

MV

10 comentários:

Um Olhar disse...

Bonito este poema!
Como sempre o bom gosto predumina no seu blog.

Bjs
Fatima

Sonia Schmorantz disse...

Um poema que mesmo da lonjura exibe muita ternura...lindo!
beijos

A.S. disse...

O tempo é como uma gaivota teimosa e nostálgica!

Lindo o teu poema Marta!!!


Beijos...

EDUARDO POISL disse...

"Ama e faz o que quiseres.
Se calares, calarás com amor;
se gritares, gritarás com amor;
se corrigires, corrigirás com amor;
se perdoares,perdoarás com amor.
Se tiveres o amor enraizado em ti,
nenhuma coisa senão
o amor serão os teusfrutos."

(Santo Agostinho)

Desejo uma linda semana com muito amor, paz e carinho.
Abraços com todo meu carinho.

Nilson Barcelli disse...

Até eu me atrasei para vir aqui ler este teu excelente poema.
Parabéns pela tua criatividade, querida poetisa madura.
Bom resto de semana, beijos.

BC disse...

Andamos todos ou atrasados, ou preguiçosos para escrever e ler as palavras dos amigos
Um beijinho Marta
Isabel

EDUARDO POISL disse...

"No fim tu hás de ver que as coisas
mais leves são as únicas que o vento
não conseguiu levar:
um estribilho antigo,
um carinho no momento preciso,
o folhear de um livro de poemas,
o cheiro que tinha um dia
o próprio vento"

(Mário Quintana)


Desejo um lindo final de semana com muito amor, paz e carinho.
Abraços com todo meu carinho.

CarlaSofia disse...

Martinha, o tempo é aquilo que podemos fazer com ele, sendo que ele é apenas psicológico, de facto podemos atrasá-lo ou adiantá-lo...
beijinhos e bom fim de semana :)

Daniel Costa disse...

Marta

O poema saiu-te belissimo como sempre. A sua profundidade vejo-a sintetizada a terminar: "atrasa em desmesura a ilusão / para não ver um poema / respirar na lonjura da ternura".
Achei todo ele maravihoso.
Bejos.
Daniel

BC disse...

Dona Martinha, por onde anda????
E a poesia linda?
Beijinhos