sexta-feira, 7 de maio de 2010

LARANJA BRAVA DE MAIO



Limpa-me laranja brava de Maio
desta acne que me veste de inquietação.
Afia-te foice romba
que mascas a grama nascida nas mãos.
Enfurece-te vento
roça a terra, o rio, roça-me a pele,
tomba no leito fumo de incenso
e purifica os sonhos sem chão.

Que a uva não se tansforme
na embriaguez do vinho
Depressa os bagos se soltem
e sejam consumidos longe do meu caminho.

Se existe Deus
que Ele me ajude a jejuar
não de leite, pão ou carne
mas de palavras pressentidas em cada acordar.

MV

15 comentários:

BC disse...

Bom dia ,minha poetisa, estava de saída mas dei uma olhada nos mails e estava o teu comentário, como boa escritora não queres aceitar o desafio, eu convoquei umas três pessoas porque sei que gostam muito de desafios e depois queria ir a mais algumas mas não tive tempo e agora à medida que vão aparecendo aguardo a tua vez.

E agora o teu poema que está uma Laranja de Maio deliciosa de fazer crescer água na boca com bagos de uvas à mistura, é isso que nós esperamos das palavras quando escrevemos e quantas vezes nos faltam e depois saem coisas que nós próprios por vezes duvidamos se fomos nós que escrevemos.
Muitos beijinhos

Olhar Meu disse...

Quando a saudade é um rio, onde correm as lágrimas, tocando as flores, deixa-as cantar canções de embalar, para que a doçura do dia atenue cada acordar.

Um bom resto de dia, e um bom fds
Fatima

A Magia da Noite disse...

procurar a luz pode ajudar a descortinar a amargura deste palavrear.

Secreta disse...

Palavras intensas estas, que nos fazem meditar...
Beijito.

Fernanda disse...

Sensibilidade poetica a tocar na magia da natureza. Parecem quase tocar-se e parece que nao o fazem para que a magia nao se perca. Gostei!

Anónimo disse...

Obrigado pelo apoio e palavras de carinho. Depois, faço um post a contar como correu e também com fotos :)

Fico feliz que estejas a apreciar devagarinho o meu Último Beijo. Tem sido um livro feliz, o que me deixa muito contente.

Um beijinho muito grande*
Manuela Fonseca

A.S. disse...

Marta...

Belo o teu poema!
A intensidade das palavras é perturbadora. A construção poética é excelente!
Parabéns pelo teu talento!


Um beijo
AL

~*Rebeca e Jota Cê*~ disse...

Quando leio poesia que se projeta além das palavras, creio que nada está perdido ainda.

Texto belo.

até mais.

Jota Cê.

utopia das palavras disse...

Ante o esmorecer das palavras eis que a poesia as alimenta!
A robustez e a força dos teus poemas encanta-me!!

Beijo, Marta

Sonia Schmorantz disse...

Muito bom este poema!
Feliz dia das mães.
beijos

mundo azul disse...

_________________________________

Pois que assim seja, minha amiga... Seu poema é quase uma oração! Uma belíssima oração...


Beijos de luz e o meu carinho!


ps...fiquei muito feliz pela visita!

____________________________

Rafael Castellar das Neves disse...

Excelente!! Muito bom...gostei do que encontrei por aqui!!

Sensacional!!

Vieira Calado disse...

"jejuar não de leite, pão ou carne
mas de palavras pressentidas em cada acordar."

é uma frase muito interessante.

Bjs

A.S. disse...

Marta... vim reler-te, rever-te e deixar um beijo!

AL

Tatiana disse...

Ricos versos encontrei aqui...
Alimentando a minha alma da mais pura poesia.

Beijos com carinho e saudade