sábado, 4 de abril de 2009

SIMULACRO




Em precipícios de enorme fragilidade
conjugo os dias em momentos verbais:
passado, presente e futuro.
Jangadas passadas de sonhos incumpridos
iates céleres de suspiros que hoje eclodem
constelações de medos pressentidos no amanhã.

Hoje, na galáxia dos meus desejos
os dedos cosem pensamentos uns aos outros
com linhas de incenso afrodisíaco.
E numa vertigem gulosa
crescem-me lágrimas de sorriso.

Invento então um tempo nulo de conjugações.
Desnudo-me das vestes da razão
simulo-me corsário destemido
e nesse mar onde vogam sonhos
assalto a chama rubra dos teus lábios.

Da vertigem desprendida do beijo roubado
serei lenha inflamada a arder
enquanto não conjugar o instante no passado.

MV


26 comentários:

A.S. disse...

Um belo Poema!
Um exercicio poético de rara beleza

"Invento então um tempo nulo de conjugações.
Desnudo-me das vestes da razão
simulo-me corsário destemido
e nesse mar onde vogam sonhos
assalto a chama rubra dos teus lábios."

« Como um corsário destemido assalta o mais precioso tesouro»


Beijos...

Joéliton disse...

Lindo poema...


Bjaoo

Daniel Costa disse...

Marta

Por ploblemas nos PC's, por mudança de um operador, tenho feito menos comentários. No entanto, como sempre, adorei o teu poema, como gosto da maneira como escreves poesia.

Reportando-me ao meu sítio, a realidade é o meu mundo, tendencialmente.
Fico grato, pelas boas palavras.
Beijo,
Daniel

Tatiana disse...

Ler sua poesia é um convite a inspiração!

Deixo aqui meu abraço e beijo carinhoso e de admiração

Nuno G. disse...

poema inspirador e belo... vou passando...

neide disse...

Que linda poesia querida.
No mar onde vogam sonhos
assalto a chama rubra dos teus olhos... Nossaaa, D+++++

feliz final de semana.

Bjsss

nanda disse...

desnudarmo-nos da razao é muita vezes a razao que nos faz sentir mais profundamente os sentimentos...gostei

nanda disse...

obrigado pelos teus comentarios. que este nosso trabalho sirva para alegrarmos os coraçoes de uns dos outros e fazer com que o só, nao se sinta tao sózinho. bom domingo

O Profeta disse...

Algures o sonho ganha forma
Gerado na fé de uma criança
Algures a maré deixa a descoberto
Uma estrela-do-mar que ela alcança

Terras, mares, o voo de uma gaivota
O aroma suave de camélia singela
Uma folha de incenso solta do ramo
Um espelho que te outorga a mais bela

Boa Páscoa


Mágico beijo

soantes disse...

Bom, não vale a pena repetir o que já disseram, apenas assumo como minhas as palavras dos outros. E acrescento um elogio à foto, que exprime bem o que sugere o poema.

Artista Maldito disse...

Olá Martita

E mais um belo momento de poesia, em que os três tempos se
(des)articulam em desejo "pressentido no amanhã" e memória: "jangadas passadas".

E na cedência às emoções, em "assalto", uma demanda se impõe, através da viagem/vertigem pelas constelações dos gestos, onde se procura a unidade do tempo.

Desejo-te um excelente Domingo:)
Beijinho grande
Isabel

Aníbal Raposo disse...

Marta,

"Hoje eclodem constelações de medos pressentidos no amanhã".
Perceberás porquê se passares no meu blogue.

Por favor leva o selo de blogue luminoso.

Beijos

Ricardo disse...

Ui, na galáxia dos teus desejos?...

Isso soa muito bem! :)

Beijo

UMA PAGINA PARA DOIS disse...

O vento soprou
Tão doce e sereno
Tocou-me ao de leve
Girou sentimentos
Dormentes, silentes
Que em vôo rasante
Tocaram o chão.
O fundo da alma
fez-se de cor de ouro
Castanho ou laranja
Deu frutos já secos
De um doce amargo
Surgiu o Outono
No meu coração.
(Lique, 2004)

Uma boa semana, plena de amor e carinho
Eduardo Poisl

nanda disse...

Marta coloquei uma musica no viver e sentir e tenho a certeza de que gosta. Acho que somos muito parecidas o modo de estar na vida e de sentir as coisas. Desejo que seja feliz eu estou tentando encontrar a felicidade e agarrá-la.

Ana Gotz disse...

"...galáxia dos meus desejos..."

Isso é grande demais!

Mari disse...

Querida Marta,
Mais uma vez vc se superou.
Um texto pra mexer com nossa emoção e
coração.
Uma ótima semana pra vc.
Bjs.

Sonia Schmorantz disse...

Vim te desejar uma linda nova semana. Tudo de bom para ti.
beijo

Anónimo disse...

Os seus poemas sao sempre tao carregados de um abstracionismo tao real.Na primeira leitura fica-se com uma ideia ,na segunda analisa-se na terceira sente-se o prazer de partilhar os seus sentimentos.
Tres exercicios para chegar a conjugar o instante no passado.
adoro a sua poesia.

Anónimo disse...

excelente

Tatiana disse...

*
Marta...
Saiba que é muito bom abrir minha página
de recados e lá encontrar as suas palavras.
Obrigada por seu carinho!
Tenha uma excelente semana!
Beijos

Ana disse...

identifiquei-me com as palavras...gostei, com o seu quê de densidade existencial!

bj grn, amiga

Ana disse...

Precioso poema!
Bjinho da Ana para ti amiguita

Marta Vasil disse...

Agradeço as interessantíssimas palavras à pessoa que por aqui passou sob o anonimato.
A porta ficará aberta, com muito prazer, para que, sempre que queira, possa deixar o entendimento que fizer da minha "poesia".

Uma boa semana

MV

José Manuel Brazão disse...

Tu não simulas!

Jogas as palavras com mestria, páras e sorris para elas e com elas!

Estou correcto? Amo a tua poesia arejada, moderna. Dos novos Tempos!
Beijo com carinho
do Amigão

poematar disse...

Olá Marta! Cheguei, mas com muto trabalho, como sempre, e deparei com este poema fortíssimo, do qual destaco:"Invento então um tempo nulo de conjugações.
Desnudo-me das vestes da razão
simulo-me corsário destemido
e nesse mar onde vogam sonhos
assalto a chama rubra dos teus lábios". E apesar de não terminares com um dístico, como bem sabes fazer, em terceto, colocas o instante no seu lugar, sugerindo que rompa o eterno.
Bravo! E um abraço.