sexta-feira, 1 de agosto de 2008

PAPOILA MULHER

Descansa vento!
O vento amaina aos brados da papoila.
Papoila escarlate, papoila mulher.
Em trejeitos de nuvem acabrunhada
baixa as pétalas para se mostrar.
Admirada a lua enrubesce
acanham-se os olhos da noite
a rã coaxa em voz sumida
as cigarras abrigam o canto nas asas
a noite turva-se em pretidão.
A papoila muito corada
cerra os olhos envergonhados
e dança… dança …
de cara destapada.

MV

4 comentários:

Ao Sabor da Poesia disse...

Olá poetisa

Doce é a tua poesia...Parabéns
Obrigado pela tua visita...

Beijinhos no coração

daniel disse...

Marta Vasil

De aparência modesta de dia, a animação da papoila exerce-se de noite.
Ma suavidade do teu verso a papoila fica esperando a noite, para poder dar aso à sua alegria de vicer.
Daniel

Paulo Afonso Ramos disse...

Olá Marta Vasil
Viajando pela net de blog em blog descobri este espaço precioso e sempre que posso volto. Assim convido-a a aderir ao Luso-poemas onde poderá partilhar estes belos momentos. Pense nisto, Marta, pois seria uma honra recebe-la por lá (se não conhece basta pesquisar na google).
Beijos

Marta Vasil disse...

Obrigada Paulo pelo convite. Senti-me um bocadinho confusa e, claro, honrada.
Vou navegar pelo Luso-Poemas, conhecer esse espaço melhor, pensar se me hei-de desviar do objectivo que fez nascer este blog.
Um beijo grato,
MV